Sindicato

Notícias
Bradesco é condenado em R$ 800 mil por condições de trabalho em agências
 
A obrigação deve ser cumprida no prazo de 60 dias úteis, a partir da intimação da sentença, sob pena de multa diária de R$ 2 mil
SÃO PAULO – O Banco Bradesco foi condenado pela 1ª Vara do Trabalho de Bauru ao pagamento de R$ 800 mil por danos morais coletivos decorrentes da falta de avaliação ergonômica de trabalho, expondo funcionários ao risco de lesões por esforços repetitivos. A ação civil pública é do Ministério Público do Trabalho em Bauru, interior de São Paulo.
A sentença também determina que a empresa elabore efetivamente uma análise ergonômica de trabalho em agências e postos de atendimento da cidade de Bauru, que não contemple apenas o exame de mobiliários e adequação dos equipamentos, mas também o exame da conduta real de trabalho dos empregados e a organização do trabalho.

Para realizar tal análise, o banco deve também ouvir seus funcionários na fase de levantamento de informações, de validação de resultados e de adequação da ergonomia a ser adotada. A obrigação deve ser cumprida no prazo de 60 dias úteis, a partir da intimação da sentença, independente do trânsito em julgado, sob pena de multa diária de R$ 2 mil, reversível ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador).
O procurador José Fernando Ruiz Maturana investigou a conduta do banco após denúncias encaminhadas pelo Sindicato dos Bancários de Bauru, noticiando que o Bradesco estava deixando de emitir Comunicações de Acidente de Trabalho nos casos de suspeita de doença ocupacional.

A partir de depoimentos tomados pelo MPT, incluindo aqueles de pessoas ligadas à manutenção de programas de saúde e segurança do trabalho na empresa, e também a partir de provas colhidas nas agências de atendimento, ficaram configurados problemas de metodologia na análise ergonômica dos locais de trabalho, o que evita a prevenção de doenças por esforços repetitivos.

“A postura do empregador Bradesco, a bem da verdade, revela que sua política de prevenção está baseada na superficialidade e na formal e burocrática elaboração de documentos, mas desprovidos de conteúdo material que impliquem efetiva melhoria da condição de trabalho e prevenção à ocorrência de LER/Dort”, finaliza Maturana.

Ainda cabe recurso ao Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região.

Em nota enviada ao InfoMoney, o Bradesco informou que não comenta o assunto.

Fonte: InfoMoney

Diretoria Executiva da CONTEC
_
Últimas Notícias
> Caixa é condenada a pagar R$ 100 mil de indenização por fila demorada
> Reunião da Mesa Permanente de Negociação da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
> Caixa Econômica Federal tem lucro de R$ 3,92 bilhões no 1º trimestre
> Nova lei trabalhista é questionada em 14 ações no STF
> Bancos públicos devem R$ 83,3 bilhões aos cofres da União
> Justiça trabalhista determina que funcionário que nunca folga aos domingos deve receber o dia dobrado
> Lucro do Itaú cresce 6,8% e vai a R$ 6,71 bilhões no primeiro trimestre
> Mantida multa a banco Itaú/Unibanco que ignorou intimação para testemunhar em audiência
> 1º DE MAIO – Dia Internacional do Trabalhador !
> Lucro do Santander Brasil supera estimativas no 1º tri, mas crédito desacelera
> Empresas cortam 60 mil pessoas e preparam mais PDVs
> Reforma da Previdência abre brecha para taxar benefícios trabalhistas, como férias e vale-refeição
> Centrais Sindicais lançam abaixo-assinado em defesa da aposentadoria
> Reforma endurece regra e prevê abono do PIS/Pasep só para quem ganha até 1 mínimo
> Lucro das empresas cresce 41,8% em 2018; bancos lideram e construção perde

MARCIO DIZARO MARQUES - BANCO BRADESCO 23/08
JOÃO RICARDO STOLLE DESSIMONI - BANCO DO BRASIL 23/08
Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio