Sindicato

Notícias
Bradesco pagará a ex-gerente diferenças de expurgos inflacionários sobre multa do FGTS
 
A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho determinou que o Banco Bradesco S.A. pague a um ex-gerente comercial e de negócios as diferenças da multa de 40% decorrentes dos expurgos inflacionários sobre os valores depositados na conta vinculada do FGTS. A Turma reafirmou o entendimento fixado na Orientação Jurisprudencial 341 da Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) no sentido de que o pagamento dessas diferenças é de responsabilidade do empregador.

Expurgo inflacionário
Os chamados expurgos inflacionários dizem respeito a índices não incorporados de atualização monetária, ou seja, quando o índice de inflação apurado em um período não é aplicado ou quando é aplicado em percentual inferior. Em relação ao FGTS, o expurgo ocorreu principalmente em janeiro de 1989 e abril de 1990. Nesse último caso, as contas vinculadas não foram atualizadas, embora naquele mês a inflação tenha sido apurada em 44,8%.

Obrigação não admissível
Para o Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA), não havia como atribuir ao empregador, que havia recolhido corretamente o FGTS, a responsabilidade pelo pagamento da diferença incidente na multa rescisória. A condenação seria, conforme o Tribunal Regional, “impor o cumprimento de obrigação acessória a quem não se encontra adstrito à satisfação do dever principal, o que não se mostra juridicamente admissível”.

Força de lei
Segundo o ministro Guilherme Augusto Caputo Bastos, relator do recurso de revista do gerente, é exclusivamente do empregador, por força da Lei do FGTS (Lei 8.036/1990) e da Constituição da República, a responsabilidade pelo pagamento da multa de 40% do FGTS, nos termos da OJ 341 da SBDI-1.

O ministro explicou que os expurgos inflacionários foram reconhecidos pela Lei Complementar 110/2001 e que o empregador não se exime de suportar o pagamento dessas diferenças por decisão do Supremo Tribunal Federal ou por decisão judicial, “ainda que essas correções sejam involuntárias, em decorrência de erro do órgão gestor na correção do saldo do FGTS da conta vinculada do ex-empregado”.

A decisão foi unânime. (LT/CF) Processo: ARR-620-27.2011.5.05.0013

Fonte: TST

Diretoria Executiva da CONTEC
_
Últimas Notícias
> Caixa é condenada a pagar R$ 100 mil de indenização por fila demorada
> Reunião da Mesa Permanente de Negociação da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL
> Caixa Econômica Federal tem lucro de R$ 3,92 bilhões no 1º trimestre
> Nova lei trabalhista é questionada em 14 ações no STF
> Bancos públicos devem R$ 83,3 bilhões aos cofres da União
> Justiça trabalhista determina que funcionário que nunca folga aos domingos deve receber o dia dobrado
> Lucro do Itaú cresce 6,8% e vai a R$ 6,71 bilhões no primeiro trimestre
> Mantida multa a banco Itaú/Unibanco que ignorou intimação para testemunhar em audiência
> 1º DE MAIO – Dia Internacional do Trabalhador !
> Lucro do Santander Brasil supera estimativas no 1º tri, mas crédito desacelera
> Empresas cortam 60 mil pessoas e preparam mais PDVs
> Reforma da Previdência abre brecha para taxar benefícios trabalhistas, como férias e vale-refeição
> Centrais Sindicais lançam abaixo-assinado em defesa da aposentadoria
> Reforma endurece regra e prevê abono do PIS/Pasep só para quem ganha até 1 mínimo
> Lucro das empresas cresce 41,8% em 2018; bancos lideram e construção perde

MARCIO DIZARO MARQUES - BANCO BRADESCO 23/08
JOÃO RICARDO STOLLE DESSIMONI - BANCO DO BRASIL 23/08
Veja lista de aniversariantes do mês  
Selos

 

     

® 2012 - SINTRAF - Todos os direitos reservados. - Avenida Santo Antônio, 200 - Sala 04 | Poços de Caldas - MG| Cep 37701-036 | Tel.: (35) 3721-9804 Domynio